10 coisas que eu aprendi com relacionamentos


Ah, relacionamentos, como mudam o nosso modo de ser e de pensar, não é mesmo? Ao longo dos anos, em meio aos sucessos e fracassos de paixonites platônicas, paqueras recíprocas, rolos e namoros, certamente adquirimos uma experiência significativa, permitindo-nos refletir sobre qual rumo tomar e até mesmo aconselhar pessoas queridas.  Isso se você realmente tira as lições necessárias dos erros, pois existem aqueles que simplesmente insistem em dar murro em ponta de faca, o que resulta num fiasco: o famoso ciclo vicioso. Envolver-se emocionalmente com alguém, de maneira profunda,  não é nada fácil. Se lidar consigo mesmo já é um desafio diário, imagine, então,  aprender  a lidar com o outro todos os dias?   Comecei a namorar o Jaime em maio de 2009 e em março de 2010 já estávamos morando juntos. Eu tinha certeza que ele  era o homem da minha vida assim que começamos a namorar. Como assim? É algo intuitivo, sem explicações racionais. Apenas amor! Aprendemos muito um com o outro nesses longos 6 anos de união. Decidi montar essa lista com 10 dicas sobre coisas que eu aprendi sobre relacionamentos. Espero que gostem!



1) Ame-se primeiro





Não existe relacionamento saudável se o amor próprio estiver comprometido/abalado de alguma forma. É imprescíndivel amar a si mesmo(a) em primeiro lugar: cuidar de si, parar de negligenciar a própria felicidade, aprender a descobrir o que te faz feliz e o que te incomoda, enfim, conhecer-se pra amar-se... Se você ficar brocochô demais, seu amor vai perceber e cair fora. Já cuidando de si mesmo(a), o seu brilho começará a aparecer de forma inacreditável e, como consequência, abrilhantará o olhar do outro ao te ver passar.

2) Aprenda a ceder





Nem sempre tudo será do jeito que você quer, pois as pessoas são diferentes no que diz respeito às necessidades, personalidades, objetivos e sonhos. Se você ama e conhece o seu amor, aprenda a ceder de vez em quando, se achar que isso não irá ferir seus sonhos e/ou a sua dignidade. Avalie as circunstâncias e veja se é possível ceder. É claro que se apenas uma das partes cede e a outra nunca faz isso, o relacionamento deixa de ser uma parceria prazerosa e passa a ser um ato egoísta de uma  única pessoa. 

O ato de ceder pode acontecer em circunstâncias simples do cotidiano ou em grandes decisões.  Exemplos: 
1) Você brigou feio com o seu amor por um motivo insignificante, deixando-o mega chateado por suas palavras ríspidas. para dar o troco, ele falou verdades que você não suportou ouvir. Você sabe que o erro inicial  foi seu, certo? Mas no calor da emoção, os dois acabaram errando. O problema é que o seu orgulho não permite consertar a situação, pois você também saiu magoada nessa treta de casal.  O que você faz? a) Dorme sem falar com ele, sem olhar para a cara dele e extremamente emburrada, dando a entender que não quer papo, ou seja, você não dá abertura para uma reaproximação; b) Espera que ele corra atrás de você, pois não vai dar o braço a torcer,  até parece!; c) Resolve ceder, afinal, o erro inicial foi seu, embora tenha ficado bastante chateada com as palavras dele. Então dá o primeiro passo , fazendo um carinho nele, pedindo desculpas... uma tentativa sútil de fazer as pazes. 
2) O seu amor foi promovido, precisará mudar de Estado  e convidou você para ir junto. O que você faz? a) Responde com um "não" convicto, pois mudar de Estado não faz parte de seus planos, embora tenha certeza dos seus sentimentos por ele; b) Pensa se poderá ceder, afinal, você está deslanchando em sua carreira agora, então você dá uma enrolada nele até conseguir se decidir, correndo o risco dele ficar cansado de esperar por uma resposta; c) Responde com um "sim" logo de cara, pois tem medo de perder o amor de sua vida.
3) Você e o seu amor nunca se acertam na hora de decidir o gênero do filme. O que fazer nesse caso? a) Não assistem filmes e escolhem outros programas,  b) Você decide ceder primeiro, assistindo ao gênero escolhido por ele, desde que ele aceite assistir ao gênero que você quer em  uma outra ocasião. Ambos resolvem ceder e aprendem que podem se surpreender com o gosto do outro; c) Você impõe o seu gosto sempre, desrespeitando o gosto do seu parceiro; d) Você sempre cede ao gosto do seu amor, boicotando as suas vontades (como consequência você sempre estará insatisfeita nesses programas a dois)

Nos exemplos acima, é preciso que se tome uma decisão, pois  ficar em cima do muro não vai resolver o caso. Então bora lá dar o primeiro passo, sempre de maneira respeitosa, afinal, relacionamentos em que decidimos ignorar os sonhos e os desejos do outro tendem a naufragar ou nos deixar infelizes. É preciso encontrar um equilíbrio sempre. Pense nisso!

3) Pense antes de falar





Muitas vezes agimos impulsivamente e falamos mais do que o homem da cobra, cansando o(a) parceiro(a) e desgastando o relacionamento. A solução é parar para pensar! Não solte palavras ofensivas no calor da emoção, pois poderá se arrepender mais tarde.  Uma vez lançadas, as palavras não serão apagadas da memória, não serão arrancadas do coração e não serão consertadas na alma do outrem, por mais que haja o perdão, no fundo sempre existirão resquícios de mágoas...




4) Elogie as qualidades, tolere alguns defeitos e aceite as críticas construtivas


Elogiar faz tão bem, eleva a autoestima do outro e é um carinho essencial em forma de palavras. Às vezes é disso que o seu parceiro está precisando nesse momento: uma injeção de ânimo para encorajá-lo a continuar, a se cuidar mais, a se sentir amado, visto  e valorizado. Se tem uma coisa que desanima demais é perceber que o outro nem te nota e não observa os detalhes que são importantes para você. 

É claro que seria muito irreal um relacionamento apenas com elogios, afinal, todo ser humano tem suas falhas. Então entram as críticas construtivas, aquelas que jamais irão depreciar o outro, apenas mostrar caminhos para o outro melhorar, sempre com palavras de amor e incentivo, ajudando o seu amor a crescer e não a se sentir diminuído. Existem defeitos que podem ser mudados e alguns que são intrínsecos ao ser. O que não pode ser mudado (ou porque a pessoa não quer ou porque não é possível mudar por questões particulares de cada um) deve ser tolerado. Como assim? Respeite e pronto! Se o defeito do outro é insuportável, você não é obrigado a ficar com ninguém. Reavalie o seu relacionamento e se você é capaz de suportar algumas coisas. Se existe amor, vale a pena continuar, afinal, as qualidades do ser humano são maiores do que os defeitos, certo? (se não for, caia fora o quanto antes)


5) Entregue-se (compartilhe o seu mundo)





Não tenha medo de se entregar aos desígnios do amor.  Enquanto você estiver preso ao passado ou bloqueado de alguma maneira, sem conseguir se entregar de fato dentro do relacionamento que você escolheu,  você não será completamente  feliz. Quem quer viver pela metade? Liberte-se!  Mergulhe  no outro e deixe o seu amor desvendar as nuances mais profundas de sua alma, mergulhando em você também, sem neuras, sem imposições ...  Isso se você amar verdadeiramente o outro  e achar que vale a pena se entregar assim tão plenamente, compartilhando o seu mundo e se permitindo navegar no mundo do outro... Se não der certo, siga em frente... Pelo menos você não sentirá o peso do arrependimento de não ter tentado.



6) Respeite o espaço do outro e entenda que o outro é diferente de você





O espaço do outro não pode ser invadido, pois as pessoas possuem suas necessidades individuais,  mesmo que ele(a) te ame loucamente, sempre precisará de momentos únicos consigo mesmo(a): uma leitura, uma série que você não curte mas ele(a) ama, jogar videogame, desenhar, surfar, etc. Assim como você precisará respeitar o espaço do outro, deverá preservar o seu também, ou seja, continuar com seus hobbies, pois estes nos desestressam, nos deixam felizes e mais produtivos/criativos. Por que abrir mão de coisas que você gosta para viver sufocando o outro 24h do dia? Quem suporta esse grude? Assim vocês acabarão perdendo a identidade pessoal de cada um.

Não compare seu atual amor com amores antigos. Cada um é cada um e ninguém gosta de ser comparado. Assim como o outro é diferente de você, o outro é totalmente diferente dos seus ex namorados (as). Até o  jeito de demonstrar o amor é diferente e isso não significa amar mais ou amar menos, apenas cada um tem um jeito. Resumindo: cada um tem um jeito de ser, viver,  sentir e demonstrar. Se você demonstra os sentimentos do seu jeito, o outro não é obrigado a fazer igual, apenas se ele quiser. 


7) Surpreenda






Quem não gosta de surpresas? Sair da rotina e descobrir novas experiências? Isso significa que o outro se importa com você e quer te agradar, oferecer novos sabores, novas sensações, novos olhares para o relacionamento que, muitas vezes, está morno. Que tal esquentar? Seja na cama, seja no dia a dia. Use a criatividade! Pesquise ou use a sua intuição.  


8) Dialogue





Um relacionamento sem diálogo não se sustenta por muito tempo, pois passado aquele momento eufórico da paixão, na maioria das vezes surge um sentimento mais calmo: o amor. Muitos percebem que a paixão acaba e nada sobra. Sorte de vocês se perceberem que sobrou o amor,  o sentimento mais nobre do mundo. Com ele é possível reacender a chama da paixão de tempos em tempos e também ser amigo(a) do seu amor para sempre. Como? Conversando sempre, escutando o que o outro tem a dizer, sem atropelos, sem querer impor suas verdades. Aprenda com o outro, deixe o outro aprender com você, mas sem arrogância.   

Se vocês pouco conversam e já não sentem mais aquele fogo inicial, será necessário conversar: a famosa DR (discutir relação),  porém de uma forma bem mais prazerosa, pois a intenção aqui é aprimorar o relacionamento, esquentar o casal, e não DR para brigar nem jogar detalhes sórdidos, inúteis e mágoas na cara um do outro, certo? O objetivo é  descobrir novas sensações, redescobrir-se  e conhecer melhor o parceiro para crescerem  juntos: como casal e como seres humanos melhores. 



9) Não existe relacionamento  perfeito




Perfeição  não existe quando se trata de relacionamentos. Se te falaram que existem príncipes encantados  ou princesas boazinhas e perfeitas, sinto muito, mas te enganaram. As pessoas estão cheias de defeitos, chatices, qualidades e charmes. Todo mundo tem esses dois lados da moeda, por mais que no começo não dê para perceber as facetas negativas do seu amor. O que quero dizer com isso? Para que você aprenda a ser feliz com os pés no chão. Continue sonhando sim, sempre... mas nunca se iluda achando que o seu relacionamento será um mar de rosas, pois um dia você terá muitos desafios para enfrentar. Se houver amor e determinação, essas imperfeições não te impedem de ser feliz, ja que os momentos bons e especiais superam as imperfeições se houver amor. Além do amor pulsando no peito todos os dias, você precisará acumular doses de paciência, sessões de carinho e um olhar atento aos problemas que ocorrem ao redor de vocês, assim  pensará em soluções inteligentes para cultivar  o seu relacionamento.


10) Cuide do outro  
(Senão outra pessoa vem e cuida)




Cuidar, observar o que faz o seu amor feliz, dar  muita  atenção, surpreender e conversar. As pessoas gostam de atenção. Talvez você tenha se acomodado achando que as coisas que você faz já são  suficientes. Engano! Cuidar nunca é demais. Uma atenção diferente, algo que você nunca fez antes pode surpreender e fazer o outro se sentir mega especial, mimado (no bom sentido) pelo outro como nunca antes fizeram. Dê o primeiro passo! Ao cuidar do outro, assim, de forma especial, com certeza o seu amor retribuirá. Quanto mais se dá, mais se tem... O amor, ao ser compartilhado, nunca tem fim...





Acompanhe minhas redes sociais:




Este post faz parte de uma blogagem coletiva do grupo Rotaroots, uma turma maravilhosa que se reúne em nome de uma blogosfera por amor, sem regras, criativa e mais autoral.

0 comentários:

Se gostou do post, comente aqui =^.^= Ficarei muito feliz com o seu comentário! Responderei aqui mesmo embaixo do seu recadinho. Obrigada pela visita e volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...